Informação útil – Amianto

Proibição do uso de amianto

A Diretiva 1999/77/CE da União Europeia proibiu a utilização de todas as fibras de amianto a partir de 1 de Janeiro de 2005.

Apesar de ser proibido utilizar o amianto a partir de 1 de janeiro de 2005, para aquele que já está aplicado, devem ser implementadas ações de controlo e monitorização. 

No caso de serem identificadas situações com risco de exposição para as pessoas, quer em situações de saúde ocupacional, quer em situações de saúde ambiental, deverão tomadas medidas para corrigir e minimizar esta exposição.

Neste caso, os empregadores são obrigados a identificar a presença, ou a suspeita da presença, de amianto nos edifícios ou instalações e a transmitir essas informações a todas as pessoas suscetíveis de se encontrarem expostas ao amianto no âmbito da sua utilização, de trabalhos de manutenção ou de outras atividades no interior ou no exterior dos edifícios.

Segundo a OMS, desde que os materiais contendo amianto estejam em bom estado de conservação, ou seja, não aparentam vestígios de degradação ou fissuração, não estando a libertar fibras para o ar, não constituem um perigo para a saúde ambiental.

No caso de verificar que os materiais estão num avançado estado de degradação, onde o risco de libertação de fibras é maior, sugerimos que contate a Delegação de Saúde da região de modo a expor a situação.

Para melhor ajudar, a Quercus preparou uma listagem de Dúvidas mais frequentes sobre amianto (FAQ’s) que se encontra no separador do menu FAQ’s

Fonte: https://sosamianto.pt/amianto

Igual na essência, melhorado na malvadez e pior na desumanidade.

É a minha análise de David Rodrigues, décadas depois de o conhecer pessoalmente, muito mal.

Coloco aqui os apontamentos depois de ler um artigo de opinião que escreveu no Jornal O Público.

Sem filtro:

Muito bom!!!!

A encerrar esta breve súmula evocaríamos o documento “Social Inclusion  of  Children  and Young People  with  Disabilities” (2013), do Conselho da Europa, onde se defende a educação inclusiva como meio fundamental para criar uma sociedade inclusiva.

Mais adiante:

Podemos encontrar projetos e práticas inclusivas de muita valia em escolas portuguesas que coexistem com situações que, sem dúvida, precisamos melhorar.

Resolve dizendo …

Seria, no entanto, ridículo, que as dificuldades que se encontram quando se quer responder a estas necessidades nos fizessem desistir dos valores que as informam. Seria como, por exemplo, ao constatar que existem ainda hoje no mundo situações de escravatura, argumentar que a sua abolição foi errada, inútil ou precipitada.

Depois … fala do MESTRE apelidando-o de posição“contracorrente” 

e refere  o texto publicado neste jornal em 15 de abril, por Luís de Miranda Correia. Classifica o texto de apaixonado e de rude. Diz que não há lá ideias … ai David ….

Desisto. Igual na essência, melhorado na malvadez e pior na desumanidade.