Igual na essência, melhorado na malvadez e pior na desumanidade.

É a minha análise de David Rodrigues, décadas depois de o conhecer pessoalmente, muito mal.

Coloco aqui os apontamentos depois de ler um artigo de opinião que escreveu no Jornal O Público.

Sem filtro:

Muito bom!!!!

A encerrar esta breve súmula evocaríamos o documento “Social Inclusion  of  Children  and Young People  with  Disabilities” (2013), do Conselho da Europa, onde se defende a educação inclusiva como meio fundamental para criar uma sociedade inclusiva.

Mais adiante:

Podemos encontrar projetos e práticas inclusivas de muita valia em escolas portuguesas que coexistem com situações que, sem dúvida, precisamos melhorar.

Resolve dizendo …

Seria, no entanto, ridículo, que as dificuldades que se encontram quando se quer responder a estas necessidades nos fizessem desistir dos valores que as informam. Seria como, por exemplo, ao constatar que existem ainda hoje no mundo situações de escravatura, argumentar que a sua abolição foi errada, inútil ou precipitada.

Depois … fala do MESTRE apelidando-o de posição“contracorrente” 

e refere  o texto publicado neste jornal em 15 de abril, por Luís de Miranda Correia. Classifica o texto de apaixonado e de rude. Diz que não há lá ideias … ai David ….

Desisto. Igual na essência, melhorado na malvadez e pior na desumanidade.

Copy paste efusivo sobre o mindfulness

O mindfulness é vendido como se fosse uma panaceia para qualquer estado mental de ansiedade … mas …. os estudos começam a mostrar que pode, aliás, causar ainda mais ansiedade e que a meditação … e … tem efeitos adversos para algumas pessoas.

Ou seja, o ónus passa a ser dos indivíduos, e o mindfulness é usado para manter um sentimento de pertença e statu quo em vez de ajudar as pessoas a, coletivamente, trabalhar para que haja mudanças estruturais nas condições de trabalho a que estão sujeitas – e assim reduzir o stresse.

Captura de ecrã 2019-10-30, às 20.09.09

Pior ainda …

Porque trabalhadores felizes são mais produtivos…
Bem, isso tem sido uma ideia da gestão desde há 60, 70 anos, que vai e vem em diferentes momentos. Mas o mindfulness envia a mensagem de que os indivíduos são responsáveis pela sua saúde mental, independentemente dos salários ou das condições de trabalho.

Sabem que mais, é ler tudo em

“O mindfulness é a ‘espiritualidade do capitalismo’”

[http://visao.sapo.pt/atualidade/entrevistas-visao/2019-10-27-O-mindfulness-e-a-espiritualidade-do-capitalismo?fbclid=IwAR1Gq_72_gE8yJroRJUr9dmpxhxSjh-9itLBDIIPwEDdzEBKBSCDV8KOzHs]

 

Hallow Mag 2019

Nada como começar num dia 13!

Aqui fica uma amostra, em imagens .jpeg, se alguém quiser o .pdf, contacte-me.

Relembro o apontamento do ano passado, aqui   [https://margaridaaz.com/recursos/efemerides/hallowmag/9].

Continuo a criar material didáctico e pedagógico, à espera que alguma editora se interesse. Até lá ofereço, parcialmente. E uso, com os meus alunos.

Boa semana!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Há mais …. cruzadas/crossword. E desenhos, para colorir, pintar. E jogos. Mais à frente, mostro.

Aquilo que se estranha

e que dói. Mas, sentimentalismos à parte, um artigo excelente, corajoso e muito sério sobre uma perturbação do neurodesenvolvimento que conheceremos muito bem,  a perturbação de hiperatividade e défice de atenção (PHDA).

A ler, a atentar. É connosco. Com ou sem diagnóstico.

Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção: quando a ignorância faz vítimas inocentes.

 

Não há fotografia actual

A manifestação do fim-de-semana passado, ouvi dizer, existiu. Só soube que ia acontecer dois dias antes. Não vejo nada de novo, nem no facto de o STOP ter ido na cauda. Nem sequer foram escoltados pelas forças especiais por isso … ainda vão ter de caminhar … E já são elitistas. Sim, são.

Quanto a imagens, não há.

E mesmo que existam, serão certamente mais do mesmo.

Não haver, é significativo.

Caro Senhor Presidente, Isso Não É Verdade, Ponto Final e Exclamação!

23 de setembro ou outubro de 2022 sr. Presidente

O Meu Quintal

O excelentíssimo senhor Presidente da República e de todos os portugueses, em especial os do governo que se chamam Costa e António ou não leu o decreto que promulgou ou não o percebeu bem ou alguém lá na Presidência não fez o trabalho de casa.

Quando afirma que “promulgou o diploma sobre a contagem de tempo de serviço dos professores por ter sido cumprido o disposto na lei do Orçamento e para permitir uma progressão este ano” só nos deixa essas hipóteses. No site oficial lê-se que:

Tendo falhado as negociações, se o Presidente da República não promulgasse o diploma, isso poderia conduzir a deixar os professores sem qualquer recuperação na carreira durante o ano de 2019.

Senhor Presidente, as progressões previstas para este ano, resultantes do processo  natural das mesmas, aconteceriam com ou sem a publicação do decreto em causa. Não fui o único, mas há meses que tento…

View original post mais 698 palavras

“O Beco Da Cidadania” ©Paulo Guinote e continua a ser censurado no Facebook

No Facebook ainda não se consegue partilhar links do Paulo Guinote. Gente miserável e miserável Facebook

O Meu Quintal

A criação da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento é daquelas medidas que parece muito béééém às pessoas muito béééém, muito dentro do seu tempo e da construção dum século XXI fraterno, solidário e humanista, que acham que a sua visão do mundo e da democracia é a única válida, por muito que seja completamente distópica.

No enquadramento oficial da disciplina pode ler-se que:

Visando a construção sólida da formação humanística dos alunos, para que assumam a sua cidadania garantindo o respeito pelos valores democráticos básicos e pelos direitos humanos, tanto a nível individual como social, a educação constitui-se como uma ferramenta vital. Deste modo, na Cidadania e Desenvolvimento (CD) os professores têm como missão preparar os alunos para a vida, para serem cidadãos democráticos, participativos e humanistas, numa época de diversidade social e cultural crescente, no sentido de promover a tolerância e a não discriminação, bem como de suprimir os radicalismos violentos.

Se bem percebem…

View original post mais 432 palavras